Quarentena – O Essencial – Semana #5

Quarentena – O Essencial – Semana #5

Ainda pensei que o melhor seria não escrever sobre esta semana para não desmotivar ninguém. Depois relembrei o meu compromisso comigo própria de que o blog fosse o diário dos dias bons e dos dias mais difíceis.

Voltaram as aulas, os “classrooms”, os “zooms”, os horários, as birras, as discussões. Tudo isto aliado a uma semana de trabalho muito intensa. Onde é que está o convite para o zoom? Que trabalhos têm de ser feitos? O que é que ela vai fazer entre a aula da manhã e a da tarde? Sinto a nossa vida desorganizada e que não consigo acompanhar estas constantes alterações que surgem de todo o lado.

Os dias tornaram-se intermináveis. Sinto-me com pouca paciência e um pouco perdida em como devo acompanhar a Francisca. Sinto a falta da terapeuta (que felizmente vai voltar on-line), e da tranquilidade que tínhamos dantes. Sinto que estamos sempre em desafio. E eu adoro desafios mas isto cansa.Sufoca.

Não foi preciso dizer nada. Porque a Maria e a Madalena deram-me o espaço que eu precisava. Uma geria o classroom e os links do zoom e outra os trabalhos a fazer. Usámos as “ Canções da Maria” para decorar os planetas. As roupas e os acessórios de inglês também ficaram finalmente sabidos.Juntámos fichas de português, matemática e estudo do meio para consolidar a matéria, que eu corrigi com nota e tudo.

Foram grandes estas manas que se encheram de paciência e ajudaram tanto. Tenho um orgulho imenso nestas miúdas.

Este afastamento permitiu-me clarificar ideias e aplicar o famoso “Princípio de Pareto” (20% das tarefas representam 80% do resultado). Deixei conscientemente cair algumas coisas. Não fizemos os trabalhos de expressão plástica, nem as experiências de estudo do meio, nem o trabalho de música. Tenho noção que não é o ideal, mas é o possível por enquanto. Sem desprimor destas disciplinas, que são tão importantes em situação normal, agora estou muito mais preocupada em que aprenda o básico e que não percamos o trabalho de consolidação tão necessário.

Nesta fase temos de nos focar no essencial. Precisamos de ter consciência que fazer o nosso melhor não é fazer tudo. Porque honestamente ninguém aguenta. Os pais estão em teletrabalho (e trabalham mais do que nunca) e os professores (que também são pais) estão em teletrabalho e os miúdos estão em telescola. É “tele” a mais para toda a gente.

A história de uma quarentena:
Quarentena – Semana #1
Quarentena – Semana #2
Quarentena – Semana #3
Quarentena – Semana #4

Patrícia Teixeira de Abreu

Vivo a vida com intensidade e acredito que a dislexia pode ser uma oportunidade única de crescimento para uma família de miúdas com garra.

Artigos Relacionados

Deixe o seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados *

×